Reunião entre IDC e CSP-Conlutas discute organizar luta internacionalista contra o desemprego

CSP-Conlutas faz parte da ação que também reivindica redução da jornada de trabalho sem redução do salário
Nos dias 13 e 14 de janeiro, em Sines, Portugal, aconteceu a Conferência do Setor Europeu do IDC (International Dockworkers Council).

A CSP-Conlutas, como parte da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas, foi convidada e esteve presente neste encontro aberto, realizado no dia 14. Além de representação da Central, estiveram também neste encontro metroviários de São Paulo.

Com intervenções de trabalhadores de diversos países, a situação de Sines teve destaque. Nesta cidade portuguesa do distrito de Setúbal, há um terminal de contêineres com potencial para gerar milhões de lucro, no entanto os portuários denunciam a precariedade do trabalho, muito mal pago – com um salário mínimo de 519 euros – e ainda os expõe a diversos riscos.

A historiadora Raquel Varela, especialista na questão dos trabalhadores portuários, explica que a “precariedade e o desemprego são a face da mesma moeda”, e que mantêm “permanentemente trabalhadores ameaçados em sua sobrevivência, que estão dispostos a trabalhar por um valor inferior. Um precário é ciclicamente um trabalhador desempregado”, expressa Raquel.

Os portuários de Sines enfrentam o que os trabalhadores deste setor, de todo o mundo, vivem. São diversas atribuições para um só cargo, o uso excessivo do banco de horas e, segundo Rita Garcia Pereira, advogada do trabalho envolvida na luta dos portuários, a patronal busca cortar todos os canais de comunicação dos trabalhadores, com o intuito de quebrar vínculos de solidariedade entre eles e assim minar a mobilização.

Para Antonio Mariano, do Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal (SETC) pelo fato de a região possuir um terminal de contêineres com potencial de nível mundial, “a população local precisa ter vantagem neste processo, sem salários de miséria e com melhores condições de trabalho”.

Articulação internacionalista
Neste mesmo dia, a Central se reuniu com a direção do IDC para discutir e propor uma campanha internacional em defesa do emprego e pela redução da jornada sem redução de salário.

Mauro Puerro, membro da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, compartilhou a experiência da Central com os temas desta campanha. Foram apresentadas ações que confrontam os ataques dos governos e dos patrões contra os trabalhadores e pela redução da jornada de trabalho sem redução salarial. “Diante da necessidade de organização da categoria, será criado um fórum, do qual a Central e a Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas farão parte. A reunião da executiva mundial do IDC vai ocorrer no mês de março, e nela será construída uma proposta para as entidades deliberarem conjuntamente”, adianta Mauro.

A campanha será aberta para todos que estiverem de acordo com o programa – com foco em redução da jornada sem redução de salário e contra o desemprego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *